Construir e re-construir: A arte de se relacionar

img-4Para qualquer tipo de relacionamento (amoroso, familiar, corporativo, etc…) ter sucesso é preciso que haja compreensão e respeito das duas partes. No trabalho, por exemplo, muitas vezes ficamos calados ou deixamos para lá porque entrar em uma discussão acarreta o risco de perder o emprego que é tão importante.

Ainda no ambiente corporativo, nos moldamos e esforçamos para incorporar mudanças, nos adaptar a novos colegas e flexibilizar nossa opinião diante de novas idéias.

Entretanto, na família e no casamento nos esquecemos de fazer o mesmo. Muitas pessoas fazem de tudo para manter o emprego e as vezes não prestam atenção em como estão as relações dentro de casa.

É preciso ter em mente que assim como é importante prestar atenção e se adaptar as mudanças no trabalho para não ficar desempregado, é igualmente importante se adaptar as nossas mudanças pessoais e das pessoas de nosso convívio para não perder o casamento, a família e os amigos.

Atitudes como flexibilidade, compreensão, respeito as diferenças e a capacidade de compreender e aceitar mudanças devem estar presentes em todas as nossas relações pessoais.

No início de um relacionamento amoroso, primeiramente ocorre a descoberta das semelhanças entre gostos, amizades, história de vida e valores entre o casal. Na sequência percebe-se que além das semelhanças existem também as diferenças, e para conviver com elas exige uma adaptação das duas partes.

O tempo que essa adaptação demora para acontecer depende de cada um, pois para que isso ocorra talvez ambas as partes precisem abrir mão de certas coisas em pró do outro. Essa é a construção de um relacionamento.

Pensamos que passadas essas etapas iniciais de adaptação, tudo está acertado e é só manter o relacionamento como está. No entanto, não percebemos que no decorrer da vida as pessoas mudam e o que era verdade absoluta há 10 anos hoje pode ser visto como bobagem.

Ou seja, assim como uma empresa, a política do casal e a filosofia de cada membro passam por mudanças e alterações com o decorrer do tempo. Nesse momento é preciso iniciar a reconstrução de um novo relacionamento.

Hábitos e rotinas sofrem alterações, chegam e saem filhos, muda-se de casa, bairro, cidade ou até país, muda-se de emprego, de nível social e etc, e essas mudanças afetam diretamente as pessoas envolvidas.

Frente a essas mudanças surge a necessidade do casal se adaptar novamente um ao outro, alinhar os pensamentos, fazer acordos, respeitar as diferenças e se flexibilizar para que continue havendo um bom entrosamento e o relacionamento não seja negativamente afetado.

Muitas vezes o casal não percebe a mudança em si e no outro e continua se relacionando da forma “antiga”. Nesse ponto conflitos podem surgir e para que eles sejam solucionados é necessário que haja um novo entendimento entre as novas semelhanças e diferenças.

Esse re- arranjo deve ser constante em qualquer relacionamento, uma vez que as pessoas estão em constante modificação e transformação. No ambiente familiar por exemplo, quando o filho casa passa a ter um novo relacionamento com os pais e é preciso que todos construam uma nova relação. Quando esse filho tiver filhos terá que construir uma nova relação com sua esposa e criar uma relação com o novo filho e assim por diante.

Portanto, para que qualquer tipo relacionamento não se desgaste, seja duradouro, tenha qualidade e não gere sofrimento e conflito para os envolvidos, ele deve ser construído e reconstruído constantemente.